TREINAMENTO 1 - PROJETO 100% SEGURO  SESI

  1 - Equipamentos de Proteção Individual

Subidas em telhados, caminhadas executadas em andaimes e em fachadas de prédios são atividades cuja proteção é importante. Este é o objetivo dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI' s) contra quedas. Existem instrumentos adequados para cada etapa do serviço. Muitas coisas que você precisa conhecer. Por exemplo: sabia que a empresa é obrigada a fornecer esses acessórios em perfeito estado para todo funcionário, sem nenhum tipo de cobrança? Os EPIs contra quedas de altura só podem ser usados em determinadas circunstâncias, tais como: sempre que as medidas de ordem geral não oferecerem completa proteção contra acidentes ou doenças de trabalho; durante a instalação dos equipamentos de proteção coletiva; e para atender situações de emergência. 

2 - Movimentação de cargas e pessoas

 A movimentação de materiais no canteiro deve acontecer com segurança. Por isso, durante a montagem e a desmontagem, a área ao redor deve estar isolada e sinalizada. Em caso de algum perigo, comunique-o imediatamente ao seu supervisor, à equipe de segurança do trabalho ou a algum membro da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA).

Antes de fazer o transporte aéreo da carga, consulte, no manual do fabricante, o peso máximo aceitável pelo equipamento utilizado. Além disso, os cabos de aço não podem ter defeitos e devem ser obrigatoriamente inspecionados. Para fixar as extremidades dos cabos, use pelo menos três clipes. A carga para o transporte deve ser bem acondicionada e armazenada. O gancho de fixação deve ter trava de segurança.

3 - Proteção coletiva contra quedas

Numa construção, os acidentes mais graves acontecem nas alturas das plataformas. Algumas ações deixam o trabalhador seguro. 
O guarda-corpo deve ter duas travessas de proteção, rodapé e tela de segurança, com as medidas estabelecidas na NR 18. E a estrutura precisa estar bem presa à superfície.

Poços de elevador e escada também não dispensam proteção coletiva. O centro da estrutura deve ser firme e forte para agüentar todo o peso, com esforço concentrado de 150Kgf/m. Essa proteção também aparece na hora de colocar as formas e na desforma da laje de cima. 

4 - Andaimes e Escadas

 Os andaimes são importantes na hora de pintar, construir ou reformar. Assim como as escadas, ambos pedem cautela com relação à segurança. Existem diversos tipos de andaimes e, para cada um, medidas de proteção específicas.

O andaime sobre cavaletes é utilizado nos serviços em até dois metros de altura e deverá ter, no mínimo, 0,90m de largura, além de piso antiderrapante.
O andaime tubular é utilizado nas elevações maiores. Para agüentar de uma vez o peso de quem sobe nele, do material e da própria estrutura, é preciso regular as sapatas ao nível do chão.
O andaime fachadeiro é utilizado em trabalhos ainda mais altos, amarrado à construção, para ter firmeza e força. Guarda-corpo com rodapé e barras de segurança são itens obrigatórios.

5 - Andaime Suspenso Mecânico Motorizado

O andaime suspenso mecânico motorizado é a melhor opção para quem busca conforto e agilidade no transporte vertical. Ele é usado em todas as fases da obra e pode ser do tipo pesado, se o serviço for de pedreiro, ou leve, para os trabalhos de reparo, pintura ou manutenção. 

6 - Andaime Apoiado

Construir, demolir, pintar, limpar, fazer manutenção ou reparo são trabalhos para o andaime simplesmente apoiado. Como sempre, é preciso ter cautela para evitar acidentes. 

7 - Andaime em Balanço

 O andaime em balanço é boa solução para ganhar espaço e deixar tudo organizado. A melhor opção é construí-lo em metal. Quando houver preferência pelo andaime de madeira, siga as orientações: use madeira seca com fibras retas e sem desvios helicoidais, evite trabalhar com material infestado por fungos ou cupins, nós, rachaduras, trincas ou empenamentos, não pinte a madeira para disfarçar defeitos e não utilize aparas. Novamente, o projeto feito por profissional qualificado é indispensável.

O carpinteiro envolvido no serviço deve ser igualmente experiente e qualificado.
Para calcular a carga máxima, leve em conta os materiais, ferramentas, máquinas e até o peso da própria estrutura e dos operários. O equipamento deve ser resistente e ter espaço suficiente para qualquer movimento necessário. A informação sobre o peso máximo deve estar sempre bem visível para todos.

8 - Barreiras Horizontais - Pisos e Shafts

 Barreiras horizontais fazem parte da proteção coletiva contra quedas. Aberturas no piso ou na laje da construção merecem medidas de segurança. Primeiro, procure saber se o vão está sendo usado para transporte de materiais. Caso não tenha esse objetivo, prefira o guarda- corpo ou o assoalho provisório sem frestas.

Todo sistema de proteção coletiva deve ter projeto de execução de acordo com as etapas da obra, as especificações técnicas e o cronograma de instalação das medidas preventivas. 
Vários tipos de guarda-corpo podem ser utilizados: de madeira, de estrutura metálica ou mista. O importante é que estejam sempre bem sinalizados.
O ponto de entrada e saída de material deve ser do tipo cancela ou similar. Melhor que todas as aberturas fiquem tampadas. A proteção tem que ser sólida, inteiriça, fixada em peça metálica ou de madeira.
Não pode apresentar frestas ou falhas, para impedir a queda de material.

9 - Barreiras com redes

Os operários são muito importantes para o canteiro de obras, com a ajuda de ferramentas, equipamentos, materiais de construção e muito trabalho. Nas alturas, o sistema de barreira com redes tem papel primordial e dicas especiais de segurança, para anular os riscos de queda.

A principal diferença entre o sistema de barreira com rede e o de guarda-corpo e rodapé está nas barras horizontais. Para as barreiras com redes, as extremidades precisam ser fixadas na estrutura definitiva do edifício. Entre elas, coloque uma rede de proteção com abertura de intervalo entre 20mm e 40mm. Nas telas, nos dispositivos de fixação e em qualquer ponto do sistema, a resistência é de 150kgf. 

10 - Cabos de aço e de fibra sintética - Parte 1

Nos trabalhos pesados, é preciso acionar a resistência dos cabos de aço e dos de fibra sintética. Eles podem ser usados em equipamentos de perfuração, elevação, máquinas de terraplanagem e içamento. A utilização segura depende da atenção para alguns detalhes que você vai conhecer agora.
Antes de começar o serviço, consulte as indicações da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT): "NBR 6327/83 -- Cabo de Aço / Usos gerais", com informações sobre o uso, tamanho e conservação dos cabos.

A carga de ruptura deve ser de, no mínimo, cinco vezes o peso máximo de trabalho, e resistência à tração de 160kgf/mm2. Se o cabo for usado para sustentar a cadeira suspensa ou no cabo-guia para a fixação do trava-quedas do cinto de segurança do tipo paraquedista, siga as recomendações: o traçado triplo precisa ser construído em máquina com 16, 24, 32 ou 36 furos; deve ter traçado externo, interno e alma central em multifilamento de poliamida; e traçado intermediário do mesmo material ou de polipropileno, com alerta visual amarelo. A densidade linear é de 95 + 5 quilotex (Ktex) e a carga de ruptura de, no mínimo, 20 quilonewtons (KN). Se o cabo não tiver traçado externo, essa capacidade diminui. 

11 - Cabos de aço e de fibra sintética  
Parte 2

 Cuidado nunca é demais com cabos de aço e de fibra sintética. Por isso, vale a pena ler mais sobre eles para trabalhar de forma segura. Tudo o que não estiver em perfeito estado deve ser substituído.

A inspeção tem que ser diária: verifique se o cabo está corroído, desgastado, esmagado, achatado, com gaiolas ou arames quebrados; confira as emendas e conexões; cabos com dobras ou torções não têm conserto.
As polias também merecem vistoria periódica. Não use um cabo novo numa polia danificada, isso diminui o tempo de vida dele e é perigoso. Veja ainda as amarras e o enrolamento do cabo no tambor.
Evite arestas vivas, sobrecargas, abalos violentos e nós.
Manter o cabo de aço sem corrosão é simples. Além de proteger a alma de fibra, a lubrificação ajuda as peças móveis a deslizar facilmente. O desgaste reduz a resistência do cabo. Portanto, deixe o equipamento sempre limpo e aplique o lubrificante com uma escova.

12 - Cadeiras Suspensas 

 Quando o andaime não é apropriado para o trabalho, usa-se a cadeira suspensa, sempre com atenção às medidas de segurança. A estrutura e a fixação do equipamento ficam sob a responsabilidade de um profissional habilitado. Depois do projeto feito, elabore o plano de montagem e a ART.

13 - Guarda-corpos e rodapé 

Trabalhar em construção exige cautela redobrada. O Sistema de Guarda-corpos e Rodapé (GcR) dá mais segurança.
A instalação é obrigatória, sempre que houver risco de queda de pessoas, materiais, ferramentas ou a partir da primeira laje. Assim como todo sistema de proteção coletiva, deve ter projeto de execução de acordo com as etapas da obra, especificações técnicas e cronograma de instalação das medidas preventivas. Todos esses documentos fazem parte do PCMAT.
O GcR deve ser construído com materiais resistentes, madeira bem escolhida, sem aparas, nós, rachaduras ou falhas. No lugar da tinta, prefira o verniz claro ou óleo de linhaça quente, que favorecem a inspeção das peças. Se precisar de um GcR de metal, ele pode ser combinado com a madeira, desde de que seguidas as devidas instruções.

Todo GcR tem regras detalhadas a serem obedecidas. 

14 - Plataformas de Proteção-Bandejas

O trabalho em alturas requer o uso cuidadoso de plataformas de proteção. Sempre que uma obra atingir mais de quatro pavimentos, é obrigatório instalar a plataforma principal de proteção e as plataformas secundárias, que garantem a qualidade e a segurança do trabalho.
Elas impedem que trabalhadores sejam feridos se qualquer ferramenta ou material cair.
A plataforma principal de proteção deve ser instalada na altura da primeira laje, em balanço ou apoiada, logo depois da concretagem. A cada três lajes, instale uma plataforma secundária.

Toda plataforma deve ser rígida e bem dimensionada, para suportar os impactos previstos. Esse equipamento também consiste num sistema de proteção coletiva, portanto deve ter os documentos do PCMAT: projeto de execução de acordo com as etapas da obra, especificações técnicas e cronograma de instalação das medidas preventivas. 

15 - Estrutura de concreto - Cimbramento

 O cimbramento garante a sustentação da estrutura das obras: vigas, lajes, pilastras. Os suportes, também conhecidos como escoramentos, fixam as formas até o concreto secar, e asseguram a circulação dos operários sem riscos de desabamento.

Em busca de segurança, o primeiro passo é o cálculo prévio do cimbramento por um profissional qualificado. Ele determina o material, a forma, a quantidade e o posicionamento das escoras. O cuidado começa na base, com atenção aos recalques. Além da diferença de altura, eles podem condenar o cimbramento definitivamente.

16 - Estrutura de concreto - Fôrmas

As formas de metal ou madeira são fundamentais para uma obra segura, e não podem romper nunca. São importantes porque possuem fácil manuseio, suportam pequenas deformações, não grudam e não alteram as características do concreto.
Um profissional habilitado é responsável por fazer o projeto e acompanhar a instalação. Todos da equipe devem saber como construir e operar as formas. Para garantir proteção, os equipamentos devem ser completos, com capacete, botas, cinturão do tipo paraquedista, luvas de couro e óculos.

As formas de madeira são as mais comuns na construção de gastalhos, gravatas, montantes, painéis e aprumadores. Feitas de chapas de compensado, sarrafos e pontaletes, só são boas e confiáveis quando a madeira usada está sem nós, lascas ou rachaduras. Além disso, ela deve ser dura e elástica, para facilitar o corte, a colocação dos pregos e a movimentação. 

17 - Alvenaria estrutural

A alvenaria estrutural é uma técnica simples mas, ainda assim, todo cuidado é pouco nesse tipo de construção. Não pode faltar organização e disciplina. Cada detalhe tem que ser checado, desde a segurança coletiva até a individual.
Use o guarda-corpo industrializado. Ele é um pouco diferente, os montantes são extensíveis e garantem a proteção em cima dos andaimes sobre cavalete. Quanto aos equipamentos, as ferramentas são escantilhão, gabaritos, andaimes, carregador, caixote de argamassa e linha traçante.

O pavimento deve estar limpo, sem poeira, pregos, materiais soltos ou pontas de aço espalhadas pelo chão. Para não fazer esforço à toa, deixe a argamassa e os blocos perto do local de trabalho, e coloque o caixote numa altura de 0,70m. Isso evita dores no corpo e problemas nas costas. 

18 - Gruas - Parte 1

 O Plano de Cargas para Gruas deve ser sempre consultado na hora de fazer a instalação ou o içamento. Esse documento contém as informações sobre a empresa, os técnicos e os fornecedores; os dados do responsável pela manutenção, pela montagem e a divisão de tarefas; os detalhes da planta de localização; e os sistemas de segurança. Nele é possível esclarecer dúvidas sobre sinalização ou áreas especiais de carga e descarga, por exemplo.

O operador e o sinaleiro desempenham funções primordiais na operação da grua. A sintonia entre eles deve ser perfeita, qualquer erro pode ser fatal.

19 - Gruas - Parte 2 

Um profissional legalmente habilitado deve supervisionar a instalação, manutenção e desmontagem. Ele precisa ter vínculos com a empresa e fazer a anotação de responsabilidade técnica.

O local para a colocação e lastro da base tem que estar desimpedido, sem nenhum obstáculo no caminho até os equipamentos. A montagem da lança tem um lugar especial dentro da construção, com 50 metros de área livre. A instalação das colunas exige guarda-corpo e plataforma de proteção. A colocação da lança e contra-lança requer a linha de vida, cuja ponta demanda três metros de espaço em volta, assim como a ponta do cabo de aço. 

20 - Elevador Cremalheira

 O elevador cremalheira é resultado dos investimentos em tecnologia.

Ele melhorou a segurança e a eficiência dos canteiros de obras.
Esse tipo de elevador deve ter manutenção preventiva e inspeção diária.
Consulte o plano específico e veja quando a manutenção deve ser feita. Quando encontrar algum problema, anote e avise o responsável pela obra. Existe um livro próprio para isso.
O elevador pode levar tanto carga quanto passageiro, desde que em compartimentos separados. O limite máximo especificado pelo fabricante deve ser seguido rigorosamente. Apenas profissional legalmente habilitado pode supervisionar o equipamento.